Problemas de audição e respiração

Postado em 20/11/2018

Problemas de audição e respiração

A criança nasce e já é capaz de escutar. Mas há casos de perda auditiva desde o nascimento ou provocada por infecção nos primeiros meses de vida. Sem ouvir direito, a criança tem o desenvolvimento da linguagem comprometido, assim como o contato com o que lhe rodeia. "A audição é fundamental", salienta Renata Di Francesco, otorrinolaringologista infantil do Hospital das Clínicas, em São Paulo. "É ela que permite à criança se localizar no meio ambiente, interagir com as pessoas e aprender a falar."

Há ainda a criança que ronca, respira pela boca ou tem parada respiratória enquanto dorme (apneia do sono). Resultado? "Por dormir mal, essa criança vai ser muita agitada e ter dificuldade de se concentrar, afetando o rendimento escolar", alerta Renata.

Para reconhecer os sinais de problemas com a audição e a respiração de seu filho, atenção às dicas dos especialistas:

1- Fique atento aos pequenos sinais

A família não percebe de imediato que a criança sofre de problemas respiratórios e de audição. No caso da deficiência auditiva, a intensidade do distúrbio pode ser apenas leve, o que oculta ainda mais o problema. "Por serem de difícil identificação, esses distúrbios acabam sendo subvalorizados, o que deve ser combatido", afirma Renata Di Francesco.

Quanto ao ronco, há mesmo quem entenda que ele seja normal e faça parte do sono. "Se o pai roncar, isso não é explicação para o ronco do seu filho... Ronco não é nada? Mentira!", comenta a otorrinolaringologista.

2- Desconfie da dificuldade em excesso para falar

 Se a criança se atrasar no aprendizado da fala, pode ser indício de que ela sofre de um problema de audição. A regra estabelece que uma criança começa a formar frases a partir de dois anos. E que é capaz, entre dois e três anos, de "cantar a música que aprendeu na escola, assim como trocar alguns fonemas quando conversa, o que é perfeitamente normal...", exemplifica a otorrinolaringologista Renata Di Francesco.

Entre três e quatro anos, porém, essa criança já tem a sua fala desenvolvida. "Por isso, se a troca de fonemas continuar depois dessa idade, os pais devem pedir ajuda a um especialista - fala atrasada não é bonitinho não, atenção!", atenta.

 

 

3- Detecte o problema o quanto antes

Crianças de seis a sete anos com problemas de audição apresentam alterações na fala, na escrita e na compreensão. Em um ditado, essa criança entende "vaca" em lugar de "faca", por exemplo.

É uma criança que não responde ao chamado do colega de classe e fica dispersa durante a aula, sem prestar atenção no que diz o professor. "Em casa, ela gosta de se sentar perto do aparelho de TV e de aumentar o volume da música que põe para tocar", destaca Renata. Seja qual for o caso, no entanto, a deficiência de audição pode ser reabilitada. "Quanto mais cedo for detectado o problema melhor", lembra a especialista.

4- Preste atenção no sono de seu filho

A criança respira pela boca durante o sono? Chega a roncar? São sinais de que ela dorme mal. Esses distúrbios respiratórios ficam evidentes entre três e seis anos e exigem a avaliação de um otorrinolaringologista.

São crianças que podem sofrer de apneia de sono, quando ocorrem paradas respiratórias ao dormir, de sérias consequências sobre a saúde. "São crianças que vão desenvolver problemas emocionais e comportamentais. Elas se irritam facilmente e terão dificuldade de acompanhar o dia a dia da escola", aponta Renata Di Francesco. "O importante é descobrir as causas do problema para dar início o quanto antes ao tratamento adequado", completa.

5- Descubra se seu bebê ouve bem

Mais de 90% dos episódios de surdez na infância são consequência de uma lesão na cóclea, estrutura que transforma o som em impulso elétrico. "Aí, além do tratamento com o fonoaudiólogo, são indicados aparelhos auditivos ou o implante coclear", diz Sirley Carvalho, professora de fonoaudiologia da Universidade Federal de Minas Gerais. "Dessa forma, as vias auditivas da criança são estimuladas a se desenvolver e ela terá um aprendizado praticamente normal", explica.

Um grande avanço é a triagem auditiva neonatal, programa de avaliação que possibilita flagrar a deficiência no recém-nascido. O método foi instituído em todo o país por uma lei federal sancionada pelo ex-presidente Lula. Ele fará a diferença porque, no primeiro ano de vida, a observação do pediatra e dos pais é insuficiente. E, quanto mais tempo a criança ficar sem ouvir, mais complicado será o tratamento.

Realizado no recém-nascido, ainda no berçário, o exame conhecido como Teste da Orelihinha (Emissões Otoacústicas Evocadas, EOAs) é simples, rápido e não requer anestesia nem exige que o bebê esteja dormindo. Em menos de cinco minutos, o médico examina os dois ouvidos da criança com um aparelho que emite sons puros. As ondas viajam até a cóclea, estrutura no ouvido interno, e retornam, fornecendo um gráfico da audição.

Além desse exame, há outro mais completo, conhecido pela sigla Peate, capaz de escanear todos os segmentos do trajeto da audição - só que a criança precisa tomar um sonífero antes de se submeter a essa avaliação mais minuciosa.

6- Conheça os tipos de surdez

- Congênita genética: um defeito nos genes faz com que a criança nasça com um problema auditivo.

- Congênita adquirida: a mãe tem infecções como rubéola ou toxoplasmose durante a gravidez, que repercutem no desenvolvimento do aparelho auditivo do feto.

- Perinatal: um problema durante o parto causa a perda auditiva.

- De transmissão: uma otite, a inflamação do ouvido, ou corpos estranhos provocam uma surdez temporária e reversível.

- Pré-lingual: a deficiência aparece quando a criança ainda não sabe falar ou ler.

- Perilingual: o problema se manifesta após o pequeno aprender a falar, mas antes de começar a ler.

- Pós-lingual: a surdez dá as caras depois que se aprende a falar e a ler.

7- Confira as etapas de maturação do sistema auditivo infantil

Veja o que acontece ao longo da maturação do sistema auditivo da criança:

- De 0 a 3 meses

O bebê se assusta, chora ou acorda com barulhos intensos e acalma-se diante dos sons mais brandos e das vozes familiares.

- De 3 a 6 meses

Mexe a cabeça para a direita e para a esquerda à procura de sons, faz contato visual, emite ruídos sem significado e reconhece o próprio nome.

- 9 meses

O pequeno localiza os sons de acordo com a sua origem - procura embaixo, pelos lados e começa a olhar também para cima. Além disso, entende palavras simples e aumenta o balbucio.

- 1 ano

A criança entende algumas ordens, como dar tchau e mandar beijos, e reconhece rapidamente de onde vêm os sons. Também pronuncia as primeiras palavras.

- 2 anos

Localiza os sons provenientes de todas as direções de forma rápida, compreende bem a linguagem, combina as palavras e usa a fala para se comunicar.

 

Outras Notícias

 

Como organizar um grupo de trabalho
Postado em 20/03/2019

Não é novidade para nenhum estudante que os grupos de trabalho, por mais bem entrosados que estejam, podem sofrer alguns desentendimentos ao longo do período escolar. Seja pelos diferentes métodos de trabalho, pelos hábitos dos integ...
leia mais »

5 tecnologias importantes para professores
Postado em 09/03/2019

As novas tecnologias são ótimas formas de ensino. Os professores devem aproveitá-las para se adequar ao novo perfil de estudante, que está cada vez mais utilizando essas ferramentas para estudar. Assim, a aprendizagem fica mais fácil e as aulas mais dinâmi...
leia mais »

Notas baixas no boletim! E agora?
Postado em 28/02/2019

O boletim do seu filho chegou. E tem nota vermelha na parada. Antes de ter uma síncope e sair esbravejando, pare para entender o motivo. Notas vermelhas, ou abaixo da média, nada mais são do que o resultado de um processo. Por isso, é importante, durante todo o bimestr...
leia mais »